2018/06/16

Dia 2441

Não, eu não sou o tipo de pessoa que tem cautela e paciência em tudo. Eu tenho fobia, odeio esperar, odeio só olhar e não fazer nada. Minha ansiedade é demais. Talvez agora eu te explique porque sou assim, sempre meto o nariz onde não sou chamado e se foda. Sempre estou a frente das coisas e não saber se vai ou não acontecer, não é comigo. Por isso vou atrás mesmo, corro para saber, tomo decisões precipitadas, quebro a cara, mas estou ali, sempre com as minhas respostas, sem nenhuma dúvida. Não fique você fazendo mistérios, quem faz mistérios aqui sou eu. E é claro que isso não daria certo, não deu muito certo até agora. E é claro também que ela não saberia disso ao entrar naquele lugar. Como saberia?
Tinha cabelos escuros e longos, ultrapassava os ombros. Usava um perfume forte mas não do tipo "me notem", estava mais para "sou vaidosa". Passos curtos e para dentro mas uma boa postura. Tinha olhos grandes, bem vivos observando tudo. Como se fosse dizer uma teoria sobre todas as coisas. Como se fosse a última garota mais linda do mundo e que pensasse. E quando fez seu pedido, Meu Deus! Já estava imaginando a risada dela em áudios no meu celular. E eu já sabia que estava fodido.
Sentou-se e como toda pessoa "normal" de hoje em dia começou a mexer no celular. Acho que ela não reparou que duas mesas a frente eu vi ela entrar, vi ela pedindo sei la o que para beber com a voz mais tranquila que já ouvi em... Nem me lembro a ultima vez que ouvi alguém falar tão sereno e calmo para ser sincero. Passar por mim exalando aquele perfume que entrou para a lista de "preciso descobrir que perfume é esse" e vê-la sentar-se bem perto olhando atentamente para seja la o que for no celular.
Não sei quem ela é, qual seu nome e onde mora. Não sei se ela esta ali se sentindo confortável ou chateada por alguma coisa. Não sei se o pai dela batia nela ou se ela faz o estilo Barbie. Se ela ama alguém ou alguma coisa mais do que ela mesma. Não sei seu livro, filme ou música favorita. Não sei o que a assusta ou faz ela se sentir alegre ao ponto de não aguentar e sorrir envergonhada porque se sentiu amada ao menos uma vez por algo que ouviu de um estranho sentado na mesma cafeteria que ela.
Você mudou, nós dois mudamos, não somos os mesmos de antes. Sinto coisas que antes eu não consumava sentir, e às vezes, dói. E talvez se fosse para decidir agora sobre cinco ou dez anos atrás pode ser que queira mudar algumas coisas mas na sua essência faria tudo igual novamente. Talvez uma hora ou outra podemos nos sentir vivendo em um mundo mal e cruel onde ninguém esteja olhando. E talvez alguém, em qualquer hora e lugar esteja te olhando ao entrar, decorando como seu lábio se mexe ao falar, observando seus passos pequenos pisando nesse mundão. Esperando apenas uma oportunidade para ser o momento perfeito de aparecer e você nunca mais esquecer que alguém te nota. Alguém quer estar aqui, com você. Nesse mesmo momento que lê isso seja lá onde estiver.
Então muito prazer, meu nome é... Eu não aguentei ficar sentado esperando para saber se posso me sentar aqui e você me contar tudo sobre você. Porque um dia vamos casar e você vai contar sobre esse dia para sua filha e dizer para ela que espera muito que isso aconteça a ela também. Bom, é isso que eu quero, e você?


2018/06/09

Dia 2440

Vamos voltar a namorar. Podemos esquecer todas as coisas que já aconteceram, a formalidade de ser um casal e ter que respeitar e aceitar várias coisas inaceitáveis. Vamos voltar a namorar, como se não soubéssemos absolutamente nada um do outro de novo. Vou fingir que não sei a quantidade de nescau que você gosta no leite de manhã e você finge não saber que meu prato preferido é macarronada. Por favor, voltemos a namorar á partir de hoje.
Não existe a rotina, nem portfólio de brigas antigas. Nem muito menos bagagem de mancadas feitas um para o outro. Nenhum erro cometido. Vou tentar não lembrar que você por mais que fique sem graça, gosta quando te olho apaixonado. E que prefere que eu não tenha tanta barba. E também que eu use mais tênis do que minhas velhas botas. 
Você vai me perguntar se eu amaria seus soluços tristes e a sua lágrima na garganta. Seus medos, frustrações, pesadelos e toda a tua culpa jogada em meus ombros. No fim, vou te falar que porque amar, como diria Drummond, é ter uma sede infinita sem saber como saciar. Vai me perguntar ainda se eu amaria seu desapego à vida e à minha presença. Eu te amo ignorante, meio sem jeito, meio torto, mas esta é a minha maneira estúpida de te amar - eu vou dizer.
Vai descobrir que ás vezes gosto de me isolar do mundo mas gosto de companhia, uma espécia de companhia solitária com uma pessoa só para sentar na pedra e ver as ondas ou fazer um passeio no parque. Coisas pequenas, mas que são e fazem parte muito importante da minha paz. Essa seria a minha igreja. A parte infinita que me traz felicidade.
Por outro lado você gosta de festas, rir com os amigos, eventos de família, viagens em grupo. Vou ter que me acostumar com isso e aprender que não posso te pedir muito uma mudança porque, acabamos de nos conhecer.
Então, vamos voltar a namorar hoje ou na semana que vem. Toda vez que a coisa apertar, voltemos a namorar. Assim eu não preciso te pedir desculpas sempre e você não chora tantas vezes. Vamos nos olhar e já saber que é hora de um novo pedido de namoro.


Dia 2439

Hoje me peguei lembrando da noite passada. Ainda posso sentir sua mão percorrendo o meu corpo, como um pianista dedilhando as teclas do piano com suavidade e desejo. Posso sentir também a sensação da tua respiração ofegante na busca do êxtase ou só mesmo sentir tua boca em mim.
O mais engraçado de tudo é que as sensações me fazem sentir novas sensações... Ah, você não imagina tudo o que passa pela minha cabeça, até que ponto podemos chegar. Mas quem me vê com esses semblante aqui séria, sentada em frente ao computador trabalhando nem imagina tudo isso se passando em minha cabeça, e ela só tem um desejo: VOCÊ
A noite vai caindo e em breve estaremos no nosso ninho de novo, e novas sensações, novas lembranças.

2018/06/01

Dia 2438

A gente demora para encontrar alguém e decidir juntar os panos de bunda. Ficamos esperando o máximo de porcentagem alcançar sobre as coisas que combinam. Filtramos e filtramos, escolhemos bastante. Descartamos como se fossem verduras ruins na feira. E no fim, ainda há grande chance de fazermos uma escolha errada. Digo fazer uma escolha errada porque a maioria das pessoas no mundo de hoje descartam fácil demais quando descobrem as indiferenças dentro do casamento ou qualquer relacionamento que seja. Podem me chamar de velho, mas sou de um tempo que a gente concertava as coisas quando elas quebravam e não jogávamos fora.
As pessoas perdem muito rápido a paciência, o carinho e até o amor. Mas estar ao lado de outra pessoa exige esforço e dedicação. Detalhes diários que salvam o dia de alguém(ns). Abrir mão quando na verdade a vontade é de bater o pé. Perder para ganhar. Perdoar para continuar. Não é todo mundo que tem essa força para continuar. Não é todo mundo que merece que continuemos a tentar. E me perguntam sempre: Porque está aqui? E a resposta é bem simples: Eu não faço ideia, mas toda vez que ela sorri pra mim eu sei que aqui é o meu lugar.
Tenho que dizer que quando casei cometi um erro enorme. Depois de tanto tempo cuidando de outras pessoas e me mantendo firme para ajudar os outros, acreditei que quando escolhesse alguém para casar esse alguém me sustentaria porque já estava cansado de ser forte o tempo todo. Que eu poderia ser cuidado mais do que apenas cuidar. Que eu poderia descansar, enfim. Então veio ela, com a bagagem dela, com os traumas dela, com os medos dela e tudo mais que envolvem trinta e poucos anos de idade. O meu erro foi pensar que eu precisava descansar quando na verdade eu tenho que trabalhar mais. Que ao invés de abandonar meus conceitos de certo e errado pra ser cuidado quando na verdade eu tenho que me dedicar bem mais para cuidar desse serzinho que apareceu. Que na verdade agora eu tenho que ser mais forte do que nunca.
E agora é assim, somos eu e ela contra o mundo. Porque ela é o erro mais bonito que eu já cometi e não me arrependo disso nenhum dia. Cometeria esse erro mil e uma vezes só pra ouvir ela dizer "Eu avisei". Posso não acertar todas as vezes mas vou continuar tentando. Mais um dia e amanhã mais um dia.

2018/05/19

Dia 2437

Eu tive medo. Pela primeira vez eu soube o que era medo de verdade. E nada se compara a isso. Levantei na manhã seguinte e seria uma manhã normal, é claro se não fosse a primeira manhã depois de saber que ela esta grávida. Desci, fiz meu café, tomei meu banho, vesti meus sapatos, dei um beijo em sua testa ainda dormindo e sai.
Esqueci de ligar o som do carro. Eu esqueci, toda vez ao entrar no carro e dar a partida se não coloco o playlist do meu celular eu procuro a rádio mais interessante ás 6:50AM. Mas eu esqueci, eram 7:22AM e eu ainda estava no estacionamento segurando o volante com as duas mãos. Não sabia o que pensar mas eu estava com medo. É como se todas as coisas ruins fossem acontecer comigo naquele dia. Quis voltar para a cama mas não voltei.
Depois de mais alguns minutos ali preso naquele transe eu sai e na rua comecei a reparar coisas que antes não reparava. A loja na esquina, temos uma escola a menos de 500m de casa. Idosos em casas que passamos na frente e elogiamos o cuidado do jardim. É como se tudo fosse novo, estivesse vendo tudo pela primeira vez. Enfim, ali, naquele momento eu cresci.
Eu pensava que crescer era arrumar um emprego e talvez ter uma família, se tornar um adulto. Mas crescer é deixar as pessoas que você ama em segurança. O mais seguro possível porque as coisas acontecem. Enquanto elas estavam descansando em casa, eu pisava menos no acelerador no trânsito. Meu maço de cigarros ficou inteiro na porta do carro. Há apenas caixas de leite e suco na geladeira. Passei a pensar "preciso voltar para casa" ao invés de "preciso trabalhar mais".
As coisas mudam, a vida muda. É um universo todo novo agora e senti medo porque é bom. Estamos acostumados a viver sentindo medos que não são nossos. Você cansa, mas não desiste porque sabe que não tem ninguém que lute por você. Está sozinho, está triste, e mesmo assim a única palavra que conhece é lutar. E a luta agora é bem maior, porque todo dia quando eu acordo, penso em voltar para casa para as minhas meninas.

2018/05/13

Dia 2436

Respirar é preciso, não somente no sentido literal, mas parar alguns passos e saber pra onde você está indo. Correr não só te impede de respirar, como também não te deixa apreciar o que é importante nessa vida. E ultimamente andei correndo muito. Hoje, felizmente consegui uma pausa pra mim. Decidi não me importar com meu dia, minha rotina, minha agenda e tudo mais envolto nesse universo que repito semana após semana. Desliguei meu celular - e isso é um espanto até mesmo para mim. Pedi um café naquela Starbucks da Alameda Santos e depois subi para a Av. Paulista. Sentei nas escadarias do prédio da Gazeta quase que camuflado, quem repararia que eu estaria ali sentado?
As pessoas corriam muito. Pensei "Caramba, eu faço isso também. Todo santo dia!" Minha vontade era de ligar para as pessoas que amo e falar "vem aqui agora, esta acontecendo algo incrível". Esse algo incrível é que eu não tinha horários, estava apenas ali sentado e observando o mundo que estou dentro mas por outra visão. É como se eu tivesse morrido e saído do meu corpo e estivesse vendo tudo de camarote. Todas essas pessoas passavam tão depressa que ao relance talvez pensasse que eu fosse um mendigo ou algo assim.
Meu café mocha gelado de R$9,90, tocando Two Coins do City and Colour no fone de ouvido e sentado ali... Pra mim isso é uma das coisas mais legais do mundo. Não preciso me preocupar em pagar nenhuma conta, em ir para nenhum lugar, não ter nenhuma obrigação, me reportar a ninguém. Absolutamente não preciso ter nada na minha cabeça. Eu posso ficar ali sentado por horas observando as pessoas. Rindo de algumas coisas e achando bonito outras. Tendo alguns pequenos delays de nostalgia. Por algumas horas eu posso ser quem eu quiser sentado ali. Ninguém vai me cobrar, brigar, julgar e principalmente tirar a minha paz.
É uma pena estar aqui sozinho. Eu gostaria muito de apresentar esse mundo pequeno, simples e secreto para alguém. Alguém que não corresse e quisesse respirar um pouco também. As pessoas não param mais. Elas não respiram. Mas a vida não vai ser lembrada pela quantidade de e-mails que você conseguiu enviar no dia ou, quantos formulários conseguiu preencher. Ela vai ser lembrada por toda vez que você parou, respirou e viu todas as outras coisas e pessoas a sua volta que você não conseguia ver enquanto estava correndo. E caramba, passei uma tarde inteira aqui sentado. Respirei um pouco hoje e talvez eu precise de respirar um pouco mais amanhã.



2018/05/06

Dia 2435

Aquele beijo tinha gosto de cigarros e cerveja. A verdade é que eu não sei dizer como chegamos até aqui. Lembro de alguns fragmentos, conversas aleatórias sobre o tempo e relacionamentos. Talvez tenha sido na parte que ela disse "A gente percebe que esta deprimido quando passa a implorar todos os dias aquilo que as pessoas só pedem no final do ano." E fiquei pensando em qual seria a última coisa que pedi no ano que passou ou algo assim.
Houve outra parte em que eu não sei o que ela dizia, realmente eu não estava prestando atenção mas os olhos dela eram lindos. Parece clichê de cantada barata mas eu não conseguia parar de olhar para aquela imensidão castanha clara que quando ela virava, a luz sobre nossas cabeças fazia eles mudarem de cor para caramelo ou mel e era tão claro que quando ela ficava de perfil para beber mais um gole no copo eu conseguia ver através deles. E dai ela me perguntava "o que foi?" e eu respondia "Nada!", mas era aquele 'nada' cheio de tudo.
Na real ela parecia uma garota solitária que fodia de vez em quando para não se sentir tão sozinha ás vezes aos sábados a noite. Por outro lado ela era aquele tipo de garota que a gente dedica uma trilha sonora especial da nossa vida só pra ela. Aos meus olhos, ela era sempre linda.
Por fim, creio que foi sobre os assuntos que pensávamos igual. Sobre porque algumas vezes insistimos em pessoas que não fazem nenhuma vírgula na nossa história ou, porque ás vezes nos submetemos a situações das quais só a gente sai com o coração partido? Porque perdemos nossa liberdade e como fazer para recuperá-la? Esses vários porquês que deixamos para lá até algo acontecer. Mas eu não, nem ela. Nós questionávamos tudo. Parecia que tudo tinha que ter uma justificativa para repassarmos ao mundo.
Ao acabar, antes de irmos cada um para o seu lado nos beijamos. E aquele beijo tinha gosto de cigarros e cerveja. Nenhum dos dois ligou para isso. Na manhã seguinte quando virou pra mim coberta com meus lençóis perguntou: "eu posso ficar?" E na minha cabeça as respostas eram "por hoje, por essa semana ou a vida inteira?". Mas a única resposta que eu consegui dizer foi: Eu faço o café.



2018/04/29

Dia 2434


Temos que ver o que estamos fazendo, digo. Se tratando de estar com outra pessoa entende? Geralmente procuramos pontos e mais pontos que combinem em meio ao vasto campo de opções. Realizamos esse filtro e falando assim parece até uma coisa horrível não é mesmo? Mas não é, imagine você estar com alguém que não gosta de assistir filmes no cinema enquanto você é um rato de Cinemark com carteirinha vip ou, alguém que nunca ria das suas piadas enquanto todos seus amigos te chamam para os lugares justamente porque você é o piadista do grupo? São idéias bem pequenas se pararmos para pensar em uma visão macro disso tudo.
Depois de tanto escolher (porque sim, somos todos exigentes) definimos que vamos arriscar em uma pessoa finalmente. Mas por mais que essa pessoa combine com você em muitos pontos, sempre haverá o ponto em que não vão combinar, nunca. Essa é a parte da história que dizemos: É necessário respeitar certas diferenças para não haver indiferenças. 
O ponto de não apreciação na outra pessoa nem sempre é um defeito nela. Ok, você pode ver assim mas tente não enxergar dessa forma. Aquele pontinho em especial só é diferente do que você esperava ou queria. Não é o motivo para que tudo acabe ou que, ele se torne o monstro da sua vida. Você com certeza tem pontos que também não o satisfazem e nem por isso ele(a) deixa de estar ali. Sou de um tempo que quando as coisas quebravam, a gente concertava elas e não simplesmente jogava fora.
Vi muitos casais se desfazerem porque apenas não sabiam respeitar algumas diferenças. Outros, porque não queriam entender essas benditas diferenças. Outros até porque queria continuar mas forçavam a mudança dessas benditas diferenças. Sendo que há um caminho mais fácil para tudo isso que é, apenas respeitar isso. Apenas quando há mais diferenças quanto a compatibilidade dos dois, pode-se sim salvar um relacionamento havendo diferenças entre os dois.
Cobramos muito dos outros, mas o que estamos fazendo para nos tornarmos especiais um para o outro? O que nos torna únicos na vida da outra pessoa? Se não temos respostas para nenhuma dessas perguntas, a pergunta que vem agora é: Quando vai começar a fazer algo? Todo mundo gosta de carinho, de se sentir especial, de ser surpreendido e nos sentirmos queridos. Mas também temos que ser corrigidos em meio as nossas diferenças porque algumas vezes nossas diferenças machucam as pessoas. É tudo uma questão de pesar o que vale mais a pena entende? Vale a pena eu continuar batendo o pé e ser o que eu sou ou posso crescer para ser alguém melhor e deixar quem esta comigo continuar a trilhar esse mesmo caminho? Casais felizes são os que crescem juntos e não os que pensam apenas em si mesmos para depois pensar em todo resto.
Se eu decidi escolher uma pessoa em meio a todos esses outros milhões de opções, eu vou fazer o que eu puder para que ela suba o degrau acima do meu e eu sempre alcançando ela. Assim, ambos continuamos a subir. Feliz aquele que tem uma mão que o puxa para cima, triste aquele que carrega o fardo de subir sozinho. No final da escada o abraço de terem chego e superado a subida juntos é bem mais feliz do que aquele que olha para trás e só vê degraus. Pense nisso, seja especial para alguém.