2019/04/20

Dia 2461


Nós somos a geração que mais precisa de ajuda. Nunca se gastou tanto tempo e dinheiro em terapia. Nunca investimos tanto em livros de auto ajuda. Mas, somos sabotadores da nossa própria felicidade. E porque? Esses dias li uma noticia dizendo "A geração que encontrou o sucesso no pedido de demissão". A noticia era de 2016 mas parecia tão atual. Isso porque eu assim como você odeia a vida de pontos batidos, presos atrás de uma cadeira na frente de um computador por oito, nove horas "produtivas" esperando a hora do almoço e o banho de sol. Aquela história de "você trabalha duro para melhorar a qualidade de vida" mas de quem?
Imagina que louco seria se a sua porcentagem de felicidade aparecesse no holerite antes do desconto de imposto de renda. Ou, a quantidade de horas que você passou em casa com a sua família ser maior do que a quantidade de horas que você perdeu tentando organizar seu tempo para conseguir fazer duzias de coisas que não fizeram você sorrir. Imagina que louco seria ser feliz pra caralho, mas ser feliz de verdade e não só imaginar como seria essa tal felicidade absurda.
Tempo. Dinheiro. Felicidade. São palavras que para mim não tem muita ligação nessa ordem. Mas se colocarmos felicidade, tempo e dinheiro ai sim vejo uma lógica. Eu sou feliz se eu não perco meu tempo tentando ganhar dinheiro. Mas é claro, ainda preciso trabalhar para pagar as contas sobre todas as outras coisas que faço no meu tempo, tentando ser feliz. Vocês conseguem entender?
Eu queria ser feliz, sem precisar de dinheiro ou ver o tempo passar pela janela do ônibus. Eu queria ser feliz por subir as minhas calças até o meio da canela, tirar os sapatos e andar descalço na areia mas eu não tenho tempo. Eu queria ser feliz por tirar uma foto em Macchu Picchu mas eu não tenho dinheiro, nem tempo. Eu queria ser feliz para abraçar as pessoas que eu amo e ser abraçado de volta a hora que eu quisesse mas eu não tenho tempo, nem dinheiro e nem felicidade.
Se você esta lendo isso, eu sou a pessoa que não tem nada mas eu daria tudo que tenho só para ser feliz. Eu daria tudo que tenho para poder te abraçar agora porque um abraço não precisa de tempo ou hora marcada, não precisa de cifrões de dinheiro ou zeros depois da vírgula. Porque o abraço ele não é felicidade, ele traz ela. Eu queria estar te abraçando agora.

Dia 2460


Me desculpe, todos vocês.
Me desculpe por não saber como falar e o que falar para que você se sinta bem. Me desculpe não me lembrar de todas as datas que eu supostamente deveria. Me desculpe por perder todas as palavras que você queria ouvir.
Me desculpe por hoje porque eu quis chorar no trem em meio a todas as pessoas que ali me rodeavam. Porque eu quis sair correndo e enquanto todos me viam ao entrar e sair do vagão tão calmamente, por dentro eu gritava no vácuo e infinito espaço de mim mesmo. E ninguém escutava.
Me desculpe porque hoje eu não quis esquentar o café, não quis fazer o café. Eu não quis conversar, eu não quis sair de casa. Hoje eu quis desistir um pouco mais, sem bater meu ponto no trabalho ou ligar meu carro usado.
Me desculpe porque hoje, mais uma vez, eu quis almoçar sozinho. Porque eu andei devagar para não encontrar com um conhecido dez passos adiante. Porque entrei em outro corredor no supermercado para que ninguém me perguntasse como estou.
E não importa quantas vezes nós lutamos, nós tentamos, algumas vezes não conseguimos mesmo porque as pessoas em volta estão preocupadas apenas com elas mesmas. Com o mundo delas e o que querem. E por vários momentos esqueceram de observar os detalhes, que muitas vezes são pedidos de socorro silenciosos como gritos na estação de trem.
Me desculpe, porque me desculpo demais por todas as coisas e assumo a sua culpa se quiser, a culpa de todo mundo.
Me desculpe, hoje foi apenas mais um dia difícil pra mim. Amanhã vai ser um pouco melhor, eu sei. Eu sei. Eu te entendo.

Todos estamos deitados na sarjeta, só que alguns estão olhando as estrelas. - O.W.

2019/03/31

Dia 2459

Nós arrancamos tanto de nós mesmos para nos curarmos mais depressa das coisas, que ficamos esgotados perto dos 30 anos. E temos menos a oferecer toda vez que começamos algo com alguém novo. Mas se obrigar a ser insensível para não sentir alguma coisa… Que desperdício! Faz muito tempo, muito tempo mesmo. Tanto tempo que eu não lembro quando foi a última vez. Sentir o gosto do beijo molhado, do calor do corpo encostando devagar. Do abraço que acalenta. Do carinho na mão. Do sexo. De me sentir especial. Mas era um casal perfeito, eu e minha solidão.
Logo eu que gosto de coisas tão simples, que fico feliz com quase nada sempre me exigiram quase tudo. Eu digo "espera um pouco, vou passar um café pra nós", e gosto do cheiro do café fresquinho. Do silêncio da minha casa na madrugada. Das minhas botas surradas. Do cheiro do mato molhado e de subir montanhas mesmo que essas sejam de dentro do meu coração. De escrever bilhetes aos outros. De gatos, eu adoro gatos. De fazer carinho em cachorro de rua. De fazer amizade com crianças. De me cobrir bem quentinho em dias frios e ficar ouvindo o vento do lado de fora da janela. De melodias combinadas. Do cheiro dos cabelos dela.
As coisas mudam, mas isso não significa que elas melhoram. Ás vezes temos que apenas aceitar que elas mudam, que as pessoas vão, que outras coisas acabam e que nós temos que seguir em frente. Seguir em frente é a parte mais difícil. Mesmo que a saudade de vê-la deitada de calcinha me falando sobre as teorias que eu nem entendia me force a lembrar dos momentos que eu não aproveitei. Mesmo que aquela rua continua a ser nossa. Que eu nunca conseguirei levar outro alguém naquele café da esquina. Mesmo que você esteja presente sempre, como se fosse um mal hábito, eu sei, vou ter que conviver com isso.


Eu mudei e de repente minha vida se foi e o acaso fez parecer valer. Eu via tanto medo ao meu redor. Sabendo disso, eu me enchi de amor. Dizer verdades pra poder vender essa noite eu tive que acordar um pouco forte e entender minhas dores, secar meu corte. Meu coração que ainda aponta o norte, to tentando me entregar de novo. Mas por amor eu sei que parei aos meus quase 30. Porque estou me curando, ainda estou me curando.

2019/03/03

Dia 2458

A verdade é que estou já a alguns dias sem dormir direito. Nem comer, nem pensar ou raciocinar direito. Ando preocupado se você vai ter tudo que precisa, se sua mãe esta descansando o suficiente para continuar cuidando de você enquanto eu tenho que sair de casa e passar 12, 15 horas na rua. Se esta chorando ou sentindo alguma dor. Se esta comendo direitinho. Se não lhes faltam nada durante o dia. Entre todas as outras coisas que já rodam na minha cabeça muito antes de você chegar. 
A verdade é que essa romantização sobre a gestação e cuidar de um neném é muito ilusória. Na verdade tudo isso é muito foda. Tão foda que ás vezes você não quer estar lá. E tudo bem. É, tudo bem. Isso não nos torna pais horríveis. O medo de falhar é grande. Mas a gente continua aqui lutando, aprendendo e resistindo. É tudo por você. Eu repito: É tudo por você.
A verdade é que estou aqui preocupado se em alguma hora da sua vida você vai me odiar porque te abracei mais forte em uma dessas madrugadas esperando que você se aquietasse e parasse de chorar. A verdade é que estou aqui pensando se alguma hora você vai me perdoar porque eu não sabia o que fazer com você. 
Filho, você é a minha marca no mundo. Aproveite, seja feliz. Faça casa ser onde estiver. Saiba que é o paralelo do amor é que compensa. Não existe o certo ou o errado, existe o diferente. Siga seu coração e seja justo. Não cometa nenhum dos meus erros, cometa novos erros. Os teus. Aprenda a ser uma pessoa melhor com eles. Diga bom dia, por favor e obrigado. Cuide de mim e da sua mãe quando chegar a hora mas tenha paciência com ela. Foram muitas noites perdidas e ela não se da bem quando não dorme direito. Não espere por nós, voe alto meu pequeno.
E quem sabe um dia você possa ler isso e saber que eu estava falando sobre você.
Mês 9 e seu Primeiro mês aqui.

2018/12/30

Dia 2457



Você esta quase ai com seus dedinhos minúsculos, sua inocência nem conseguindo dizer "Adultos ocupados, eu preciso comer" ou "Minha fralda esta suja". A gente vai ter que se virar para entender tudo isso. Algumas vezes fico pensando que vou regredir, como se fosse eu a estar de fraldas sujas. Mas na verdade isso é aprendizado. 
Pedro Fonseca diz: "como nascem os adultos? Por que se aprende a caminhar e não a voar? Por que falar tanto e escutar menos? Por que o olhar para o espelho – e umbigo? Onde se ganha a frieza, onde se perde o afeto gratuito? De onde vem a consciência? E a onisciência? Onde começamos a abandonar os erros como a melhor parte das conquistas? Por onde se esvai a curiosidade? De onde vem o medo do desconhecido? Quem nos faz crer em um deus que não é, simplesmente, o Outro? Quem tenta nos ensinar a nadar sem antes nos apresentar ao mar? Que lugar é esse que prometem tanto, o futuro? Que distância é essa, que nunca chega mais perto, a saudade? Que força é essa que nos rege, a necessidade? Qual a razão (ração) que move um carro? Qual a ração (razão) que move um ódio? O que nos pede devoção? O que nos rouba emoção? O que nos separa dos irmãos? É doença, pandemia, miopia? É fraqueza, malvadeza, avareza? Como nascem os adultos, filhos? Não descubram. Não descubram. Não descubram."
Acredito que com sua chegada eu volte no tempo mas pensando sempre no seu futuro. Que muitas dúvidas minhas serão respondidas com suas certezas absolutas quando começar a descobrir o mundo. Quem sabe? O que eu sei é que estamos ficando cada vez mais ansiosos pela sua chegada. E que foi mais um natal sem meu pai, mas o primeiro que passei sendo um.
E quem sabe um dia você possa ler isso e saber que eu estava falando sobre você.
Mês 8

Dia 2456



Um pai nasce depois do filho. Sofre o parto de si mesmo, a revolução da sua vida que só a paternidade pôde proporcionar até aquele momento. É uma coisa que pessoa nenhuma pode te proporcionar, é um momento que acontece como uma aurora boreal e não dura para sempre. É uma mudança em si mesmo que surge sem você perceber. Quando se da conta, já aconteceu e esta acontecendo. Isso assusta, traz medo. Medo de que você não vai sentir tudo aquilo que todos dizem, que não vai viver aquilo que você viu por ai. Medo daquela mulher que carregou seu filho por nove meses não vá se lembrar lá na frente o real motivo pelo qual decidiram ter um filho. Um medo enorme, gigantesco de falhar com os dois. De já estar falhando. E nessas horas ninguém aparece para te dizer o contrário.
Mas que se dane todas as pessoas e as coisas que vi por ai - penso eu. Esse é meu momento também de aprender uma cachoeira de coisas. Aprender a ser mais responsável, maduro e adulto. A controlar minhas finanças, aprender a dirigir melhor meu carro usado e parcelado em trinta e duas vezes. Aprender a ter sentimentos bons que eu nem lembrava que existiam. Aprender a ter cuidado por alguém (ns). E aprender a cuidar de mim mesmo, porque não? Adeus Mc Donalds, um tchau bem grande para os cigarros escondidos na mochila. Um "foi" mal para as grandes empresas de cerveja, agora eu conheço muito bem a NaN, Nestlê e Pampers.
Uns param de fumar. Outros decidem largar o emprego e trabalhar com o que gostam, mesmo que pague menos, ou ficar tempo integral em casa com os filhos. Há quem tente recuperar laços familiares enfraquecidos pela distância e pelo tempo. Muitos tentam adquirir hábitos mais saudáveis, seja para viver mais e melhor, seja para oferecer bons exemplos. Talvez sejamos todos um pouco dessas dores, tanto para nós como para nossos filhos. Superá-las nos torna mais leves, e possivelmente pais mais amorosos. Tomara.
E quem sabe um dia você possa ler isso e saber que eu estava falando sobre você.
Mês 7

2018/11/18

Dia 2455

Calma querido coração. 
A felicidade tem olhos castanhos e cabelo meio escuro e meio claro. Fala tranquilo e tem risada gostosa (E precisava ter uma risada tão gostosa de ouvir?). Gosta da batida da minha música e tem teorias sobre meu fumo e copo vazio. Consegue sobreviver a mais um dia como se fosse o primeiro. Tem uma energia, uma aura completamente nova como se nunca houvesse sofrido na vida. E parece que a vida é boa.
Algumas coisas são doces. Simplesmente porque são, sem motivo concreto. Sem razão aparente. Sem uma conclusão ou lógica. Apenas porque são. E essas coisas raras e doces, essas devem ser as coisas mais importantes do mundo porque são as que mais sentimos falta quando não estão aqui. Saudade é a importância de alguém, algo ou algum lugar que mudou alguma coisa em você seja boa ou ruim. E no momento, a minha coisa doce que mudou algo em mim e que sinto falta é de você.
Mas calma querido coração.
Se parar para pensar, estamos todos nos recuperando de algo. Ninguém me ajudou, então me virei sozinho e isso me endureceu um pouco mais. Esqueci de observar as árvores da cidade, ouvir o barulho do mar e sentir a brisa leve de um fim de noite voltando para casa. Eu esqueci de uma pequena parte da vida individual que nos torna completos e felizes antes de qualquer visita que chegue sem avisar. Antes de qualquer visita que apareça e se torne a coisa mais importante da sua vida. Falo daquela parte da vida que te faz feliz quando faz compras sozinho no supermercado e no meio dos corredores você encontra aquele doce que fazia tanto tempo que não comprava que toma a decisão de levar. Que faz não se importar de usar chinelos e shorts na fila se escorando no carrinho esperando sua vez. Que faz não esperar chegar em casa e dentro do carro, no estacionamento abre o pacote e devora o doce ali mesmo. E a vida, por fim de mais um dia se torna gostosa outra vez.
Calma querido coração.
A felicidade ás vezes tem a sensação de partida, mas não como fim e sim como recomeço. A felicidade ás vezes tem cheiro de perfume caro mas também gosto de beijo amanhecido de domingo e cara amassada. Ás vezes a felicidade tem beleza de flor caindo no painel do carro ou de risada de um bebê no carrinho na praça de alimentação do shopping. 
Calma querido coração, sua vez vai chegar.
O mundo está cheio de pessoas boas. Se não puder achar uma, seja uma.



2018/11/03

Dia 2454


São cinco da manhã e eu não consigo dormir. E não são preocupações, fantasmas ou as contas do mês que me fizeram perder o sono. Foi o silêncio. Sim, o silêncio das paredes desse quarto, dessa casa e dessa vida sem ouvir o som da sua gargalhada. Sabe, se as palavras fossem balas todos seríamos assassinos. Mas se você tivesse ficado um pouco mais, tivesse confiado um pouco mais... Agora estaríamos nus, acordando juntos talvez. Eu tentaria levantar e você se aninharia no meu peito me impedindo de qualquer tentativa de sair da cama. 
Reflexos da noite passada seria ver o bico do seu seio ouriçado encostado na minha barriga enquanto seus cabelos compridos estão jogados entre o meu peito e meu braço. Seu quadril nu, virado pra cima enquanto sua perna busca refugio nas minhas. Seria ver a luz do dia invadir o quarto sem permissão por estar a janela aberta em consequência do calor pós sexo incrível de ontem a noite. E no fim, conseguir sair da cama quase que como uma missão impossível sem te acordar mas ainda sim querendo muito ficar horas ali olhando aquela cena. Fazer seu café e a temperatura ideal do leite e a quantidade perfeita de manteiga no pão. Te acordar com uma palavra boa. Ver o sorriso simples com o desenho bonito dos seus lábios.
Quando um abraço apertado se encaixa é como se o mundo parasse, é como se a vida acabasse. Porque naquelas momentos meu amor, fomos instantes. E eu nunca penso se amanhã eu vou estar feliz ou não. Mas, o que importa na realidade, é que no meu agora eu estou putamente feliz e na moral? Obrigado por você ser o motivo de tamanha felicidade.



2018/11/02

Dia 2453


Quando se é pai, o mais difícil é fingir que você sabe o que está fazendo. Porque a gente não sabe o que esta fazendo. A gente não sabe de nada e isso assusta. Pensar que qualquer coisa que eu repasse a ele (a), seja certa ou não vai ajuda-lo (a) a se moldar como pessoa, como homem (mulher), cidadão e parceiro (a) de alguém.
Mas, em contra partida acabamos fazendo algumas coisas de imediato como se fossemos profissionais no ramo. Como acumular a função de segurança não-remunerado. Carregador de malas e mamadeiras oficial. E a que eu mais gosto: Doutorado em limpar fralda suja de cocô. Deus, me disseram que um dia vou sentir falta dessas fraldas, como isso é possível?
O cinto de segurança nunca vai estar preso o suficiente. Eles vão precisar dormir bem mais que nós. O dinheiro vai ser, daqui em diante, prioridade para gastar com eles. Quando se é pai, em algumas horas não podemos esquecer que por alguns momentos o bebê também tem uma mãe (e principalmente que nós temos uma esposa/namorada). É achar nem que seja uma pinta em comum para afirmar que o bebê é nossa cara. É pôr às mãos no rosto, tirar, e depois dizer: "Achooou!".É falar com a voz do bebê o tempo todo e dialogar consigo mesmo na voz original.
Me disseram que o tempo deles passa rápido demais e que é verdade esse bilhete. E isso também me da medo. Como se, de alguma forma, eu fosse perder cada momento especial com eles. E um dia eu acorde com anos a frente e perguntar onde eu estava quando ele cresceu tanto me falando sobre teorias fundamentadas sobre qualquer coisa, apenas para que eu aceite a opinião dele. Tenho medo de perder os choros e os sorrisos. Os abraços e os beijos. E é por essas razões que vou lembra-lo sempre que eu o amo, que estarei sempre aqui por ele e que não interessa a quantidade de abraços, nunca serão suficientes.
O que você quer ser quando... Cresceu!
E quem sabe um dia você possa ler isso e saber que eu estava falando sobre você.
Mês 6