2016/03/18

Dia 2221

Há mais de ano eu não sentia frio na barriga por ninguém. Medo tive. Vontade tive. Tesão tive. Beijo tive. Tudo tive. Mas não frio na barriga, daquele que você sabe exatamente o que significa. Só não admite nunca. Eu não admito. Bom, ainda! Só quero me afogar na sua coragem de tudo. Isso te torna tão linda. É muito difícil desenhar janelas quando quero desenhar tudo isso que sinto.
Ela me abraçava como se pedisse pra eu ser o mundo dela. E eu a abraçava mais forte ainda, confirmando que aceitava de bom grado ser o mundo dela. Antes de me beijar, ela passava a mão no meu rosto e me fazia um afago na nuca. Sei lá, era o ato de carinho mais bonito que eu já vi.
Não havia outra opção além de dar certo. Dessa vez, mais do que em todas as outras, eu precisava que desse certo. Tinha que ser ela, quem mais me faria sorrir e sonhar daquele jeito, se não ela? E ai ela dava aquela subida na sobrancelha - cara, é um charme aquilo - então eu ficava com vontade de sorrir do riso dela.



O carro parado, a chuva la fora. O vidro aberto na altura da calha. Eu no banco do motorista, ela no banco do passageiro. Eu quis usar minha melhor camisa. Ela estava linda usando uma blusa com decote largo. Mas eu juro que não fiquei olhando para os peitos dela. Droga, eu olhei uma ou duas vezes. Ela não entendeu nada do porque eu parei o carro duas ruas pra cima da casa dela. Quando desliguei o carro, ela perguntou o que tinha acontecido. Eu sorri, tirei o cinto e virei pra ela. Ficou sem graça, subiu as duas sobrancelhas e encolheu os lábios num riso tentando ser impedido de sair. Mas não aguentou. Era o sorriso mais bonito do mundo e eu tive que interrompê-lo. A música estava bem baixinha, quase nem ouvia. 
Nessa hora eu conseguia ouvir o coração dela palpitar. Fui chegando mais perto, ela não se esquivou. O meu palpitava mais ainda. Senti a respiração dela perto dos meus lábios. Foi em câmera lenta, meus lábios encostando nos dela bem de leve como se cada pedacinho da minha boca encostasse na boca dela. E tinha um gosto incrível. Ela passou a mão no meu rosto, entrou com seus dedos nos meus cabelos e o beijo virou amor.
É o frio na barriga mais gostoso que eu já senti na minha vida. E ficou batom dela em mim. Quando nos afastamos eu dei um beijo rápido depois, como um selo. Ela olhava com aqueles olhos brilhando e sorria. E se tem uma coisa linda de se ver é uma mulher que sorri depois de um beijo. Talvez com mais um pouquinho de sorte, eu tropeço e esbarro em você amanhã e depois de amanhã. Mas da próxima vez, vou parar na frente da sua porta e buzinar na esperança de que você entre no carro para viver aqui pra sempre. 

Um comentário:

Ana Simone disse...
Este comentário foi removido pelo autor.