2010/04/18

Dia 295

O sangue esta na mesa e as bocas se engasgando com sua própria soberba. É assim que o mundo não anda. Aprendi que lições que não são aprendidas com sangue, logo são esquecidas. Então o que nós somos?
Somos os aviões de papel que são jogados por ai, sem rumo ao vento, na direção que a brisa escolher. Mas eu queria mesmo era ser um avião a jato. Onde eu estaria pronto para ir, de malas prontas, aqui esperando. Então me beije e solte um sorriso pra mim. Me diga que vai me esperar e me abrace como se nunca fosse me soltar. Por que agora eu estou partindo, estou partindo em um avião a jato e não sei quando vou voltar. Sonhe com os dias que estão por vir, quando não terei que te deixar sozinha e sobre as vezes que não precisarei dizer que eu estou partindo, que estou partindo num avião a jato e não sei quando vou voltar. E só o que ficou pra trás foi a fumaça.

4 comentários:

Mariana disse...

caraa, você escreve muuuuito bem, ótimo texto !


;*

Tami disse...

ÉEE escreve muitooo menino!! Parabéns!!!!

Judson Coelho disse...

Tens talento(coisa q ñ tenho), parebéns xD

Intransitado disse...

vc talvez nao saiba, mas muito do que você escreve me trás tanta esperança, encontrar um blog assim me da vontade.. visita o meu se der!