2010/09/14

Dia 499

É o sentido do tato. Numa cidade normal, você anda, esbarra nas pessoas; as pessoas trombam com você. Na minha cidade ninguém se toca. Estamos sempre atrás do metal e do vidro. Acho que sentimos tanta falta desse toque, que batemos uns nos outros só para sentir alguma coisa. Quando acontece de nos encostarmos uns nos outros, como no mêtro ou no ônibus, desejamos não estarmos lá. Queremos sempre outro lugar, menos lá. Ninguém estende a mão para alguém que acabou de tropeçar na calçada.
Viver aqui, é como ir dormir zangado, mas ela nunca acordou para fazer as pazes. Então todas as noites eu sonho. No meu sonho de hoje eu voei. Voei tão longe, que deu pra ver no céu onde o azul vira preto.

7 comentários:

Raisa Barcelos disse...

O começo da sua postagem foi bem "Crash no limite".Já viu esse filme?!Caso não tenha visto alugue com urgência,não irá arrepender-se eu garanto.
Muito bom o texto.Abraço

Gian Le Fou disse...

Viver aqui, é como ir dormir zangado...

=)

Camila França disse...

O bom é dornmir fazendo as pazes.

:D

Fabiane Aline disse...

Muito legal o seu texto. Eu fui dormir irritada, hehehe. Tenha uma bela quarta. Beijinhos.

Dani Brito disse...

Pois aqui onde eu moro as pessoas se tocam até demais, principalmente no metrô. Ontem eu tive que virar o rosto pra não beijar o rapaz da frente! rs.
Eu sempre vou dormir feliz (adoro dormir) mas essa noite um pernilongo infeliz nao me deixou em paz.
Não gosto de dormir brigada porque tenho medo da pessoa morrer e eu não ter feito as pazes..hahaha.

Você escreve muito bem!

Priscila Mondschein disse...

Eu também moro nesta cidade, e tenho medo de ficar como as demais pessoas...
Beijo!

poesias maria do carmo disse...

olá ,que belo texto ,vc voou tão longe que veio descer aqui ,cantinho muito bom o seu poeta,abraços.