2014/10/12

Dia 1977

São dois anos - Porque não paramos no tempo.
Eu juro que tentei escrever nessas ultimas duas semanas pra você. Mandar um correio, uma mensagem de celular, um recado oculto no bate papo da internet. Fiquei pensando "O que eu deveria dizer que a fizesse suspirar?". E adivinha só querida? Eu não consegui dizer uma só palavra. Nada. Nadinha.
"Eu te amo" parece tão pouco dizer nessas ocasiões que até deveriam ser proibidos. Mas que gosto tem essas três palavras hoje? Nossos "eu te amo" já evoluíram para "Hoje eu te busco na faculdade e voltamos juntos dentro do ônibus para você me contar o seu dia e eu ver você franzir a sobrancelha ao contar que  não respondi á sua mensagem." Ou então "Estacionei aqui na esquina, desce aqui que eu vim te ver." e até "Ok, eu vou te deixar quietinho escrevendo suas bobagens". Daqui á pouco é "Vamos á praia no próximo final de semana" e "hoje deixa que eu lavo a louça"... "Pode ir tomar banho na minha frente, eu vou terminar de ler esse capitulo".
Um dia me perguntaram se eu me arrependo de algumas coisas que já fiz ou falei. Foi uma pergunta difícil de responder porque se não fosse por algumas atitudes, hoje seria tudo diferente. Mas será que seria um diferente bom? Será que se eu não tivesse falado certas coisas ou feito, hoje eu seria quem eu sou? Hoje eu estaria mais feliz ou mais triste? Hoje eu estaria amando ou sofrendo? É complicado, mas de uma coisa eu sei: Toda lágrima e todo sorriso faz a gente subir um degrau na escada da vida. Independente de quem ou o que tenha causado isso em nós.
Estive um tempo afastado e a unica coisa que posso dizer é que me encontrava no alto das montanhas. Aprendendo. É, o valor das coisas e espero ter ensinado algumas coisas por ai também. Foi só quando eu não conseguia mais te fazer sorrir que eu parti meu bem.  
Casamento... Eu disse essa palavra pra uma amiga minha e ela comentou "Isso é coisa de gente grande". Bem, uma hora acontece sabe? Sei lá, você não acorda com 22 anos pra sempre. Uma hora... Simplesmente acontece. A pessoa perfeita, a hora certa. Destino, coincidência, os signos. Como se tudo conspirasse á favor e não contra desta vez.
São duas semanas tentando falar da sua covinha que aparece primeiro do lado esquerdo e depois no direito ao ver você sorrindo mas não consegui descobrir nada bonitinho pra escrever sobre isso.
Como se em duas semanas eu conseguisse resumir dois anos. Que estupidez achar que conseguiria. Mas será que você se lembra? Eram 3 da manhã e eu não conseguia dormir, você se escondeu no quarto do fundo para não acordar ninguém enquanto falava comigo onde a madrugada invadiu a nós dois. Você tinha um pouco mais de 18 e eu um pouco mais de 20 na identidade. Você, garota de apartamento e eu do mundo. E ai fomos consumidos por uma chama de paixão que não deixou morrermos sozinhos. A gente deixa ir porque sabe que volta. A gente manda embora porque sabe que fica. A gente diz que não mas sabe que sim.
Confiança não pode viver no mesmo espaço que segredos e mentiras. Te contei os mais obsoletos segredos e ultrajes e você continuou aqui. E mesmo que eu tenha passado por 100 corações por ai, não há lugar igual ao nosso lar. E eu senti saudades de casa enquanto estive fora. Minha casa é o seu lado esquerdo do peito. É tão... Meu.
Nós nunca sabemos o resultado das nossas ações. Ás vezes, algo que estamos fazendo nesse exato momento pode estar desencadeando uma sequência de acontecimentos que vai influenciar daqui 10 anos. Cara, isso é insano! Você lendo esse texto agora mesmo pode influenciar para uma série de acontecimentos começar. E uma infinidade de outras coisas. Da até pra enlouquecer pensar nessas coisas. Mas uma minúscula coisa que fazemos afeta sempre uma cadeia de outras tantas. É a ordem do caos, se é que há alguma existente.
Eu não sou nada, eu sou a ponta do cigarro que não foi tragada. Eu sou a marca de batom que ficou no copo de Scott. Enquanto ela é tudo. É o primeiro raiar de sol que entra pela minha janela, é o primeiro pensamento do dia... Ela é quem faz o vinho ficar mais roxo e o céu mais azul. 
Sabe que, na minha primeira sessão de terapia e terapeuta pediu pra que eu desenhasse 3 coisas: Uma casa, uma árvore e uma pessoa. Minha casa porém estava de portas trancadas e minha árvore não tinha raízes. E até a pessoa que eu desenhei não fazia - e nunca fez - muito sentido. E foi depois de dois anos que eu entendi, que assim como aquela música do Audioslave eu esperava que quarto por quarto eu encontrasse você. Eu tive que passar por dois anos pra entender que por você eu deixo a porta aberta e que você é - e sempre foi - as minhas raízes. 
Ás vezes eu vejo você sentada no sofá da sua vó naqueles almoços de domingo á tarde e fico te reparando enquanto você não vê. E eu te acho tão bonita minha querida. E ás vezes também sábado a noite eu penso que troquei todas as cervejas geladas e os papos vazios com aquelas luzes de neon dos bares do centro com os amigos só pra te colocar pra dormir com um pouquinho mais de carinho.
Você sabe, eu faço tudo errado mas não é por mal. Eu tento fazer tudo, tudinho certo pra você. Preencher todos os vazios e estar com você pra tudo.
São dois anos e só demos uma pausa pra tomar fôlego. Mas agora é sem pit-stop e seguir por ai... 
Então vamos viver...
A liberdade é essencial pra mim
Felicidade é essencial pra mim
Se quem eu amo tem amor por mim
Eu sei que ainda estamos longe do fim ♫

Um comentário:

A. Paiva disse...

Que coisa mais linda.
Profundo, real e sincero.