2013/11/04

Dia 1648


Ahh, a farra. Ela era até que boa. As meninas que adoram ser vistas, sim é por isso que elas saem. Os vestidos curtos e os saltos altos. Elas se produzem porque querem ser notadas brother. Isso por um tempo até que chama atenção. As casas com musica alta, facil chegar perto se ela não te ouve, você quer aquele contato verbal mas o som é muito alto a batida intensa. Você chega perto, pega na mão e pronto. Ela é sua. Tem 200 paus de bebida na mesa. Vamos aproveitar. E toda noite que eu saia pra um lugar desses eu saia acompanhado. Ok, 3hs, 4 da manhã e pra onde vamos? Fabiana, Alessandra, qual era o nome daquela outra? Tanto faz, ela também não lembra o meu nome pela manhã. Isso por um tempo é até interessante fazer, mas depois fica tão chato. O QI dessa galera é tão restrito. Não que eu seja 'ohh, o gênio, O interessante'... Nada disso... Mas é que por favor, convenhamos. Você sai acompanhado mas esta sempre sozinho, quer coisa mais triste? Eu ja sai pra tantos bares dessa cidade, jamais sai ás 3hs da manhã de um lugar desses satisfeito totalmente. Minto, apenas uma vez isso aconteceu. Ela era tão diferente. Não rolou sexo nem nada, apenas ficamos sentados a noite toda papeando. Vendo a galera bebada subir em cima dos pufis que estavam do nosso lado enquanto o rock tocava. Não rolou nenhuma gota de alcool naquela noite, eu juro. Ela não quis ir pra cama comigo, nem deu indicio que queria sair de la pra ir pra um motel ou qualquer coisa do tipo. E eu nem toquei no assunto também, aquela garota era diferente. Ela era daquelas que vale a pena saca? Que você passa várias noites conversando em claro e não se cansa de ouvir o som da voz dela. Ela também não usava nenhuma micro-roupa escrota, nem enfiava a cara na maquiagem pesada. Ela era bem reservada e isso é tão bonito. Depois dela eu fiquei pensando "cara, é exatamente o que o vazio da minha companhia precisa". Perguntaram a John Lennon:
- Por que você não pode ficar sozinho, sem a Yoko?
E ele respondeu:
- Eu posso, mas não quero. Não existe razão no mundo porque eu devesse ficar sem ela. Não existe nada mais importante do que o nosso relacionamento, nada. E nós curtimos estar juntos o tempo todo. Nós dois poderíamos sobreviver separados, mas pra quê? Eu não vou sacrificar o amor, o verdadeiro amor, por nenhuma piranha, nenhum amigo e nenhum negócio, porque no fim você acaba ficando sozinho à noite. Nenhum de nós quer isto, e não adianta encher a cama de transa, isso não funciona. Eu não quero ser um libertino. É como eu digo na música, eu já passei por tudo isso, e nada funciona melhor do que ter alguém que você ame te abraçando.
Bom, no fim ele leva um tiro. A vida ás vezes é uma droga. Mas eu concordo com essa opinião. É valida pra mim. Depois disso, pra mim ficou chato sair de casa pra esses lugares. Prefiro muito mais sentar naquelas cadeiras na calçada tomando alguma coisa com boa companhia, daquelas que a gente conversa e não se cansa. No final, é basicamente isso que nos resta né? Boa musica e boa conversa. Um dia o tempo vai alcançar todos nós. Eu, você. E não importa o que achamos. Não é isso que é ser jovem? Achar que vai ser o primeiro a viver pra sempre?
Deve ser por isso que a gente fica tão sozinho. As pessoas se tornam chatas. E eu? Eu já sou chato pra caralho. Então escrevo.

Um comentário:

António Jesus Batalha disse...

É para mim uma honra acessar ao seu blog e poder ver e ler o que está a escrever
reparei que se tem esforçado por nos dar o melhor,
é um blog que nos convida a ficar mais um pouco e que dá gosto vir aqui mais vezes.
Posso afirmar que gostei do que vi e li,decerto não deixarei de visitá-lo mais vezes.
Sou António Batalha.
Que lhe deseja muitas felicidade e saúde em toda a sua casa.
PS.Se desejar visite O Peregrino E Servo, e se ainda não segue pode fazê-lo
agora, mas só se gostar, eu vou retribuir seguindo também o seu.
Que a Paz de Jesus esteja no seu coração e no seu lar.