2010/02/11

Dia 259

Eu entendo as palavras, mas nem sempre elas fazem sentido para mim. Principalmente quando estão gritando. É absolutamente aceitável quando eu acho que sei de tudo mas na verdade não sei de nada e só vejo um faísca voltando na minha cabeça. Acredite nas verdades que digo e também nas mentiras, elas serão raras e sempre são por uma boa causa.
Minha história é tão confusa, que partes dela não fazem nenhum sentido, nem para mim. Eu perdi boa parte da minha memória. Minha solução se tornou meu caminho e é ele que eu sigo, mesmo que algumas pontas das minhas páginas peguem fogo. Dane-se. Comigo sempre foi tudo ao contrário. Não quero passar meus melhores anos esperando que eles cheguem.
Eu não sei o que te falar. Só sei que não aguento mais. Quero paz, quero sossego e felicidade. Quero rir, ir ao cinema, subir em árvore. Quero amor e vida. Sorrisos, chá. Não quero ter medo, não quero ter remorço nem sentimento de vingança. Quero amigos, cheiro de roupa lavada. Quero rolar na grama, me molhar no mar sem medo da água fria, abrir os braços. Quero respirar mais e não me sufocar tanto de cinzas.

Um comentário:

Liuri Loami disse...

Você procura a felicidade e a diferença no meio do sofrimento. Ótimo isso. *-*
A felicidade um dia chegará para nós aventureiros da vida. Mas temos que conquistá-la também.

http://numberpi.blogspot.com/